Porque é que o Grupo Central Açoreano é tão Especial?

Scroll this

O grupo central integra as ilhas Terceira, Graciosa, São Jorge, Pico e Faial. No seu conjunto oferecem algo de extraordinário aos nossos visitantes: uma viagem rica em momentos únicos.
A natureza é sem dúvida a nossa imagem, e cada ilha tem as suas peculiaridades. Por sorte estas 5 ilhas, abrangem vários acontecimentos históricos, fenómenos vulcânicos e culturas distintas. No grupo central poderá conhecer a essência deste arquipélago.

Primeiro vejamos o que cada ilha do grupo central contem. Assim terá a perceção de que como cada ilha é única, e que no seu conjunto tornam-se especiais.

A ilha Terceira

A ilha terceira é um ponto de visita obrigatória devido há existência de uma natureza esplêndida e um património incomparável. Esta é a ilha dos Açores com maior património histórico.
Para além de uma rica tradição histórica, esta ilha possui uma riqueza natural atrativa como:

  • Algar do Carvão

Uma experiência a não perder é a descida ao Algar do Carvão. Trata-se de uma notável chaminé vulcânica, em excelentes condições de preservação.

A descida à gruta termina junto de uma lagoa de águas límpidas alimentada pela chuva.

  • Serra do Cume

Com uma vista soberba sobre a Manta de Retalhos, no Miradouro da Serra do Cume pode observar a baía da Praia da Vitória, a planície das Lajes e a vasta área do interior da ilha. Os prados, os animais, a atmosfera são elementos que no seu conjunto irão transmitir-lhe tranquilidade e pureza.

  • Piscinas Naturais dos Biscoitos

Um local onde a diversão e a natureza se cruzam. Estas piscinas situam-se a nordeste da ilha na freguesia dos Biscoitos. Rodeadas por rochas fruto de antigas erupções vulcânicas e banhadas pelo Oceano Atlântico as Piscinas dos Biscoitos foram totalmente adaptadas para serem um fantástico local de lazer.

Festividades 

A ilha Terceira é um ponto de atração devido às várias manifestações populares. As suas festas são intensas e vividas num ambiente de euforia e bom humor. Das suas festas destacam-se as Festas Sanjoaninas, as Festas da Praia da Vitória e os bailinhos de carnaval.

Gastronomia

Repleta de natureza e património edificado, a Ilha Terceira também é um ótimo local para os amantes de gastronomia. A Alcatra, as Sopas de Espírito Santo, as Cornucópias, o Alfenim, as Donas Amélias e as Caretas são alguns dos pratos típicos da ilha.

Ilha da Graciosa

A ilha Graciosa, classificada pela UNESCO como reserva da biosfera, tem paisagens encantadoras, suavemente onduladas, com colinas dispersas e pequenos cones vulcânicos. A mistura harmoniosa do verde da vegetação com o branco das casas, e com ainda os monumentos históricos acaba por resultar numa paisagem admirável.

Um dos traços mais representativos da paisagem graciosense é sem dúvida os moinhos de vento, com os seus telhados vermelhos, considerados os mais bonitos de todo o arquipélago, principalmente quando as suas velas estão ao vento.

O património natural conta com pérolas como:

  • A Caldeira da Graciosa

É uma depressão de colapso implantada no topo do mais pequeno vulcão dos Açores e é o elemento paisagístico mais emblemático da ilha. A caldeira é uma estrutura geológica de elevado interesse, pois possui diversos tipos de formações vulcânicas únicas, com especial destaque para a Furna do Enxofre.

  • A Furna do Enxofre

No interior da Caldeira está uma deslumbrante cavidade vulcânica. O acesso a esta gruta faz-se por uma torre que contem uma escada em caracol.
Na zona da entrada e no interior da gruta observa-se várias espécies de flora, musgo e seres invertebrados.

Esta cavidade vulcânica é reconhecida a nível internacional. Pois possui um lago de água fria e uma fumarola com lama, responsável pelo cheiro a enxofre, que reporta para a designação desta cavidade.

  • Ilhéu da Praia

O ilhéu da praia situa-se a 1 milha em frente à Vila da Praia. Destaca-se pelo verde que cobre a sua superfície e pela nidificação de diferentes espécies de aves marinhas. Este ilhéu é o santuário das aves marinhas do Oceano Atlântico.

  • Ilhéu da Baleia

É uma formação curiosa de origem vulcânica que está localizada na Baía da Ponta da Barca. E pela sua configuração faz lembrar uma baleia. O Farol da Ponta de Barca possui a torre mais alta entre todos os restantes existentes nos Açores, o que permite uma vista deslumbrante para esta misteriosa baleia rochosa.

Diversão e Cultura

As festas em honra do Divino Espírito Santo, também, nesta ilha têm grande significado religioso e profano. Do Pentecostes ao Verão, as diversas localidades da ilha festejam animadamente.
Na segunda semana de Agosto, realizam-se as festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres.
O carnaval na Graciosa é extremamente animado e é sempre convidado a entrar na brincadeira.

Gastronomia

Na ilha Graciosa, a gastronomia típica reúne pratos de exceção com a melhor carne, peixe, marisco, legumes, sendo também famosa pela sua pastelaria e doçaria, com as Queijadas da Graciosa, as cavacas, as capuchas, os pastéis de arroz ou encharcados de ovos. O vinho branco é um bom companheiro da gastronomia.

Muito mais há para apreciar nesta ilha, como o museu etnográfico que melhor demonstra o percurso histórico da ilha e do estilo de vida do seu povo, bem como, os monumentos religioso e rurais.

 

Ilha de São Jorge

São Jorge é uma ilha de falésias, penhascos e fajãs, uma das mais verdes do arquipélago dos Açores e o local perfeito para umas férias em contacto com a natureza e o mar.
A predominância do verde que faz o encanto da ilha, convida a passeios por uma paisagem de beleza primitiva. São Jorge apresenta um perfil alongado e bastante estreito, sendo única a nível do arquipélago. A ilha desenvolve-se ao longo de 55 km desde a Ponta dos Rosais até ao Ilhéu do Topo, salientando a sua longa cordilheira vulcânica.

A sua costa é escarpada, quase vertical e por vezes contem superfícies planas junto ao mar, as fajãs. Esta ilha é conhecida como a ilha das fajãs. Ora vejamos quais as fajãs mais atrativas para si.

  • Fajã dos Cubres:

É provavelmente uma das mais bonitas e exóticas fajãs desta ilha. Há neste espaço uma lagoa, rodeada por pântanos de Junco, possui uma forma irregular com quatro pequenos ilhéus no seu interior. Nesta fajã encontra-se uma grande variedade de fauna e flora marinha típica, sendo um refúgio natural para diversas aves marinhas e migratórias.

  • Fajã do Ouvidor

Situada na maravilhosa costa norte da bonita Ilha de São Jorge, no verdejante Arquipélago dos Açores, a Fajã do Ouvidor. Esta zona já é bem desenvolvida, com algumas estruturas comerciais, e casas de habitação, não influenciado o seu aspeto rural e reservado de outros tempos. Muito frequentada é a sua bonita piscina natural de grande beleza, dado o fácil acesso à Fajã, e aos próprios banhos de mar.

  • Poça de Simão Dias

Esta poça é um dos melhores sítios para ir a banhos na ilha de São Jorge. É muito bonita, natural e a água tem uma cor espetacular. A água límpida, cristalina convida a um mergulho refrescante. Considerado um local tranquilo e recôndito onde é possível passar momentos relaxantes nos mais belos dias de Verão na ilha de São Jorge.

  • Fajã da Caldeira de Santo Cristo

Esta é a fajã mais famosa da ilha. Localizada na freguesia da Ribeira

Seca, no concelho da Calheta, a fajã da Caldeira do Santo Cristo é reserva natural e área ecológica especial.
Considerado um santuário do bodyboard e do surf, é também o único local nos Açores onde se desenvolvem amêijoas.

Gastronomia

A gastronomia nesta ilha embora inclua muitas das restantes tradições gastronómica, tem muitas características únicas da ilha. Entre os pratos específicos há aqueles que são confecionados com ameijoas, visto esta ser a única ilha dos Açores onde esta espécie existe.

No que toca à pastelaria e doçaria, destacam-se as espécies e bolos de véspera.

O queijo desta ilha é classificado como um queijo de sabor limpo, ligeiramente picante e aroma forte. O queijo São Jorge é um produto reconhecido internacionalmente.
Sendo uma verdadeira iguaria para desfrutar, por si própria ou como acompanhamento de pratos.

Ilha do Pico

A ilha do Pico é a segunda maior ilha do arquipélago e o seu nome deve-se à sua majestosa montanha vulcânica. Esta é a mais alta montanha de Portugal. O seu clima seco e quente em conjunção com a riqueza dos solos de lava e a forma organizada do terreno resultam num impressionante mosaico de pedra negra e vegetação.

O Pico é de uma beleza extraordinária, de uma cor admirável e tem um poder de atração muito poderoso. Os extensos campos de lava, os currais das vinhas, os monumentos rurais, a vegetação e o clima existente nesta ilha irão proporcionar-lhe momentos inéditos.

A ilha para além de apresentar a montanha, possui uma longa cordilheira com manchas de vegetação e pastagens, onde pontuam lagoas que resulta no seu conjunto numa paisagem de sonho.

Em termos de património destacam-se:

  • A Gruta das Torres

Está localizada na Criação Velha e está inserida no complexo vulcânico da montanha do Pico. Esta gruta é o maior tubo lávico conhecido em Portugal e foi descoberto em 1990. Esta gruta apresenta diversas estruturas características das cavidades de origem vulcânica. Onde se destacam as estalactites, as estalagmites lávicas e lava balls. A entrada principal é feita pelo Algar da Ponte, descendo degraus.Durante a descida observa-se a transição da vegetação da superfície para outras formas de vida menos evoluídas. Este percurso será fantástico, e terá momentos de surpresa bem como de admiração.

  • O Museu do vinho

Está instalado no antigo convento carmelita da Madalena, e é constituído por dois edifícios. Um de dois pisos, que recria uma casa, com espaço para habitação e adega, com uma exposição permanente sobre a tradição da cultura da vinha nesta ilha; e um segundo, onde fica o alambique. Possui ainda com um miradouro com vista para os currais e uma mata de dragoeiros, só por si merecedora de visita. São também organizados passeios às vinhas e provas de vinho.

  • O Museu Regional dos Baleeiros

Sendo o Pico uma terra de fortes tradições baleeiras, está localizado na freguesia das Lajes do Pico, este museu e tem como propósito expor e interpretar os aspetos ligados às atividades e à vida quotidiana dos baleeiros. Neste museu poderá usufruir de uma biblioteca temática que poderá ver por si mesmo mapas e livros de bordo, e de um auditório onde poderá visualizar o filme “ Os últimos baleeiros”.

Para além destes lugares a visitar que fazem parte do património desta ilha, não poderia deixar de subir a poderosa montanha.

A subida à montanha

O Pico é o local primordial da fantástica Reserva Natural da Montanha do Pico, de onde se têm panoramas de excelência sobre a ilha, ilhas vizinhas e sobre o oceano Atlântico, no seu conjunto é uma paisagem de cortar a respiração.

A subida e a descida demoram aproximadamente 3 a 4 horas, portanto a visita ao ponto mais alto de Portugal demora cerca de 8h. Antes de efetuar a subida deverá dirigir-se à Casa da Montanha onde irá efetuar o seu registo. Poderá passar somente uma noite na montanha.

O nascer e pôr-do-sol são momentos únicos e verdadeiramente inesquecíveis, e claro dormir sobre um mar de estrelas é qualquer coisa de outro mundo.

Quanto ao seu património arquitetónico, concentra-se sobretudo nas igrejas e ermidas.

Gastronomia

A gastronomia da ilha é muito rica, nomeadamente no que toca aos produtos do mar. O caranguejo, as lapas, os polvos, e os peixes, servem de base aos pratos variados e gostosos.

As carnes encontram-se presentes em pratos como:

  • Molha de carne à moda do Pico
  • Linguiças
  • Morcelas

Destacam-se ainda os queijos que são consumidos com vinhos. Falar do vinho do Pico é sinónimo de orgulho. Não há nada como provar os vinhos, no seu local de origem, tem outro sabor e outro significado.

Ilha do Faial

A ilha do Faial é uma das paragens obrigatória na visita ao grupo central. Com o seu vulcão dos Capelinhos, a sua magnífica caldeira coberta de vários tons de verde, os seus campos de pastagens rodeados de hortênsias e as praias de mar calmo. Merece especial destaque a cidade da Horta. De grande riqueza monumental, é a cidade mais alegre e vistosa do Grupo Central. A sua marina geralmente repleta de iates de variadas cores, transmite à baía e à própria cidade um ambiente muito característico. Pela sua posição geográfica, a cidade da Horta proporciona, paisagens ímpares da ilha do Pico e de São Jorge.

Locais a visitar

  • Vulcão dos Capelinhos

A paisagem existente na freguesia do Capelo é o resultado de uma erupção submarina que ocorreu em 1957. Há um contraste entre o verde rico e as areias castanhas que resultam numa paisagem dramática. Neste mesmo local, poderá usufruir de um espaço submerso que irá fazê-lo recuar no tempo e vivenciar fenómenos vulcânicos.

  • O Centro interpretativo do Vulcão

O Farol dos Capelinhos foi transformado num miradouro e na sua base, funciona o Centro Interpretativo do Vulcão. Este centro tem um caráter informativo, didático e científico, dispondo de um conjunto de exposições que recordam o período único da história do Faial, bem como a formação do arquipélago.

Este espaço dispõe ainda de um exposição de amostras de rochas e minerais.

  • O Varadouro

A zona do varadouro, conhecida como uma fajã, destaca-se pelo seu micro-clima e a sua vegetação vivaz. Além da paisagem magnífica, tem uma zona balnear formada por rochas vulcânicas.

  • A Caldeira

A cratera do vulcão que originou a ilha. Formada há 500 mil anos, esta enorme cratera, é rica em vegetação. O seu interior é um dos melhores locais em todo o arquipélago para observar a vegetação que cobria estas ilhas antes do seu povoamento. Poderá recorrer a um guia para descer a caldeira, onde poderá usufruir do sol, num fofo colchão de musgo.

  • O Cabeço Gordo

Está localizado na zona central da ilha e é um magnífico miradouro que em dias de bom tempo permite avistar todas as ilhas do triângulo e até a Graciosa.

  • O Monte da Guia

É um antigo vulcão de origem submarina que durante a sua formação juntou-se à ilha do Faial. Apresenta uma paisagem de excelência com vista para a baía do Porto Pim.

  • Baía do Porto Pim

A Baía é protegida pelo Monte da Guia, e o que facilitou a origem de uma praia magnífica. A baía contem dunas, areias claras e muito finas.
O mar é muito calmo, e todo o cenário envolvente oferece-lhe um momento paradisíaco

Nesta baía, localiza-se a Fábrica da Baleia do Porto Pim, sendo um dos mais relevantes testemunhos da época da caça à baleia e que hoje é um centro interpretativo, portanto está num sítio ideal para dar uma espreitadela. Para além de nesta baía termos o Monte da Guia, temos também o Monte Queimado em que poderá subir e aproveitar a paisagem ou deslumbrar o pôr-do-sol.

Gastronomia

Quanto à gastronomia desta pequena ilha mas grande em cultura, temos pratos muito semelhantes à ilha do Pico, nomeadamente, os pratos de peixe, de carne, a massa sovada, inhames, linguiça e o nosso queijo do Morro.

O Faial apresenta-se como um destino perfeito para todos os amantes da natureza.

As ilhas do triângulo

A proximidade entre as ilhas de São Jorge, Pico e Faial, bem como as numerosas ligações marítimas existentes, faz deste triângulo um destino fascinante e surpreendente. A interligação marítima é efetuada entre estas ilhas, através dos portos. Fazer a viagem de barco tem como bónus ver as ilhas noutra perspetiva. Poderá em menos de uma semana conhecer as ilhas do triângulo.

O grupo central é especial porque poderá encontrar tudo aquilo que pretende descobrir e usufruir num conjunto de 5 ilhas. Há gostos para todos, para os amantes do mar, para os apaixonados pela geologia, pela natureza, pelas aves marinhas. Neste grupo central irá ter momentos de surpresa e de encantos.
Estas ilhas têm estabelecimentos de sonho dos quais poderá ter uma estadia de excelência quer em formato romântico ou luxuoso.

Submit a comment

shares